Agendamento e Pagamento Online de sua Consulta! AGENDAR AGORA!
Toggle Bar

Rinoplastia

RINOPLASTIA:

É a cirurgia que visa à correção dos defeitos estéticos e/ou funcionais do nariz. 

Indicação:

Pacientes que apresentam deformidades estéticas do nariz como nariz grande, giba no dorso, ponta mal definida (alargada, estreitada demais, arredondada, baixa, caída, e outras), nariz torto (pós trauma ou pós cirurgia, asas nasais largas. Também tem sua indicação em pacientes com dificuldade respiratória por fraqueza e/ou deformidade das cartilagens nasais (válvula nasal). 

Como é feita:

A cirurgia pode ser realizada por dentro do nariz (Rinoplastia fechada) ou então com uma pequena incisão na pele da columela, na parte central do nariz (Rinoplastia aberta). São realizados o reposicionamento e a estruturação das cartilagens e ossos nasais, associados a ressecção das estruturas em excesso (osso, cartilagem e/ou pele). Se preciso, podem ser usados enxertos retirados do septo nasal, da cartilagem das orelhas e cartilagem das costelas. É o que chamamos de “Rinoplastia Estruturada”, de modo que o nariz se apresente estética e funcionalmente melhor. 

Possíveis riscos e complicações:

É considerada uma cirurgia de baixo risco. Ocasionalmente pode ocorrer sangramentos importantes em que há necessidade de uso de tampão nasal ou cauterização do vaso sangrante. Em casos mais raros podem ocorrer aderências por cicatrização inadequada e perfuração do septo nasal. 

Cuidados pós-operatórios:

Normalmente, o paciente recebe alta no mesmo dia. Tampões nasais, o grande receio dos pacientes não são mais usados, a não ser em caso de complicações, que são raríssimas. Dores são muito leves e quase inexistentes, perfeitamente controladas com analgésicos comuns. A principal queixa é a obstrução e congestionamento nasal devido ao inchaço, que regride em 15 a 20 dias. Deve ser mantido repouso relativo por cerca de 48 horas. Neste período é normal a saída de pequena quantidade de sangue pelo nariz ou garganta. É importante a realização de limpeza nasal rigorosa, com solução de soro fisiológico, especialmente no primeiro mês após o procedimento. Alimentação leve nas primeiras 24 a 48 horas após, e normal daí em diante.
A região das pálpebras podem ficar roxas e inchadas, sendo importante fazer compressas geladas sobre os olhos nas primeiras 48 a 72 horas após o procedimento. Evitar exposição ao sol nos primeiros 15 a 20 dias. Atividade física deve ser iniciada somente após 30 dias, sob orientação do cirurgião. Nas primeiras 4 semanas após a cirurgia não se deve usar óculos, ou usar uma proteção sobre a região. Tomar cuidado para não “bater” o nariz.
Os primeiros 6 meses são essenciais para a cicatrização do nariz. 90% da cicatrização ocorre neste período e o retorno ao consultório deve ser rigorosamente cumprido de acordo com a determinação do cirurgião. 

A Rinoplastia é a cirurgia plástica da face mais realizada no mundo e o índice de satisfação é muito alto. A grande maioria dos pacientes fica totalmente satisfeita. Em cerca de 10% dos casos pode ser necessária uma revisão cirúrgica, que deve ser realizada em, no mínimo, 6 meses após (ideal após 1 ano).

É uma cirurgia complexa, envolvendo um grande entendimento da anatomia e do funcionamento do nariz. Estudo exaustivo, prática intensa, atualização constante e desenvolvimento de técnicas são essenciais para que o cirurgião consiga resultados cada vez melhores e duradouros.

As técnicas antigas causavam resultados imprevisíveis e algumas vezes ruins. A moderna Rinoplastia Estruturada tem mostrado resultados impressionantes e extremamente satisfatórios, tanto do ponto de vista estético como funcional. Buscamos o melhor resultado possível para cada caso e as limitações técnicas são expostas e discutidas com o paciente no pré-operatório, evitando falsas expectativas.

Septoplastia



Septoplastia:

Septoplastia é uma cirurgia realizada para a correção de desvios existentes no septo nasal, de forma a deixá-lo o mais reto possível. O objetivo da cirurgia é melhorar a respiração nasal. O septo nasal é a parte do nariz que divide a cavidade nasal em duas partes, devendo estar centralmente localizado. É constituído por mucosa, cartilagem e osso. 

Indicação:

Pacientes portadores de desvio de septo nasal que apresentam nariz entupido e que não melhoram com tratamento com medicamentos.
 Pode ser associada à Rinoplastia Estruturada (plástica de nariz) para pacientes com o nariz torto que desejam melhorar a estética e a função nasal (Rinosseptoplastia).

Como é feita:

A operação geralmente é realizada por dentro do nariz, não sendo realizadas incisões externas, a não ser em casos muito complicados. Demora aproximadamente 40 a 60 minutos, dependendo da complexidade. O septo nasal, como todo o restante da cavidade nasal, é coberto pela mucosa nasal. Para expor as deformidades ósseas e cartilaginosas do septo, descola-se esta cobertura mucosa. Após a remoção e remodelagem das áreas deformadas, a mucosa nasal é reposicionada e suturada. Não há necessidade de uso do tampão nasal no pós-operatório, na grande maioria dos casos. 

Riscos e complicações:

É considerada cirurgia de baixo risco. Raramente ocorrem sangramentos importantes em que há necessidade de uso de tampão nasal ou cauterização de vasos sangrantes. Em casos raros podem ocorrer sinéquias (aderências) e perfuração do septo nasal por cicatrização inaqueda. O índice de satisfação com essa cirurgia é muito alto. 

Cuidados pós-operatórios:

Normalmente, o paciente recebe alta no mesmo dia. Repouso relativo por 48 horas após a cirurgia. Neste período é normal a saída de pequena quantidade de sangue pelo nariz ou garganta. Atividade física pode ser iniciada após 10 dias, a critério do médico. A limpeza nasal rigorosa, em casa (lavagens com soro fisiológico) e no consultório médico deve ser feita, especialmente no primeiro mês após o procedimento. O retorno ao consultório deve ser semanal, para remoção de crostas que por ventura venham a se formar. Geralmente a   Septoplastia é associada à Turbinectomia, o que otimiza e completa o resultado final.

Turbinectomia


Turbinectomia ou conchotomia:
 

É uma cirurgia funcional que tem por objetivo a diminuição do tamanho das conchas ou cornetos nasais.

Conchas, turbinas ou cornetos nasais são projeções ósseas existentes no interior da cavidade nasal, recobertos por mucosa. Sua função é aquecer, umidificar e filtrar o ar respirado.

Existem cerca de três conchas de cada lado (superior, média e inferior). Não confundir com adenóide. Os cornetos ficam dentro do nariz e são uma das principais causas de obstrução nasal em adolescentes e em   adultos. A adenóide fica na região entre o nariz e a garganta (rinofaringe) e é importante causa de obstrução nasal em crianças (no adulto a adenóide praticamente não existe). 

Indicação:

A Turbinectomia está indicada quando o paciente apresenta obstrução nasal importante decorrente do aumento do corneto, que não responde ao tratamento medicamentoso, geralmente em consequência de Rinite Alérgica e Rinite Medicamentosa (dependência de descongestionante nasais). 

Como é feita;

Consiste na remoção do excesso dos cornetos, por via endoscópica. A cirurgia dura cerca de 30 minutos. Normalmente não é necessário uso de tampões. 

Riscos e complicações:

É considerada uma cirurgia de baixo risco. Raramente ocorrem sangramentos importantes em que há necessidade de uso de tampão nasal ou cauterização do vaso sangrante. O resultado funcional é muito bom. 

Cuidados no pós-operatório:

Geralmente a alta é no mesmo dia. Repouso relativo por cerca de 48 horas após a cirurgia. Neste período é normal a saída de pequena quantidade de sangue pelo nariz ou garganta. Atividade física deve ser iniciada somente após 10 dias ou a critério médico.
É importante a realização de limpeza nasal rigorosa especialmente no primeiro mês após o procedimento, com lavagens várias vezes ao dia, usando soluções de soro fisiológico. Neste período será necessário retorno semanalmente ao consultório, para que sejam removidas crostas que por ventura venham a se formar.
Portadores de Rinite Alérgica devem fazer acompanhamento e tratamento da doença mesmo após a cirurgia para evitar recidiva (retorno dos sintomas).